Escola de Choro Raphael Rabello: um celeiro de instrumentistas

O Correio Braziliense de quarta-feira (11/01) destaca o papel transformador da Escola Brasileira de Choro Raphael Rabello – ICEM no cenário musical brasileiro. A instituição, ligada ao Clube do Choro de Brasília, atua há 18 anos formando uma geração de instrumentistas que fazem sucesso no Brasil e no exterior. Além da formação de músicos, o papel de preservar a cultura brasileira faz parte do propósito da instituição, conforme afirma Henrique Neto, coordenador da Escola: “Na escola, buscamos preservar o gênero seminal da MPB que expressa de forma mais rica e autêntica a música instrumental brasileira. Na prática, formamos músicos para manter vivo e divulgar o legado de mestres como Ernesto Nazareth, Pixinguinha, Jacob do Bandolim e Waldir Azevedo, por meio de aulas teóricas, de instrumentos e práticas de conjunto, além de oficinas ministradas por alguns dos maiores instrumentistas brasileiros”

Tem gringo no choro!

O Caderno Diversão&Arte, do Correio Braziliense desta quarta-feira (5/10), apresenta uma matéria sobre estrangeiros que estudam música brasileira em Brasília. E os alunos da Escola de Choro Raphael Rabello são alguns dos “gringos” citados e que estão aprendendo sobre o choro na cidade. Hoje, a Escola conta com 13 alunos estrangeiros, que são representados na matéria pelas histórias do francês Philippe Thevenoux, aluno de pandeiro; a holandesa Anna van der Heijden, aluna do curso de música e cultura popular brasileira; e do japonês Yoshihiro Miyamoto, aluno de cavaquinho.